Mulher perde bebê na recepção do UAI Martins em Uberlandia

Ser mãe é um sonho muito vezes desejado por várias mulheres na vida adulta. Visto que a gravidez em si é um processo que altera todo o corpo da mulher, é importante um acompanhamento médico cuidadoso para que o feto que está sendo gerado permaneça saudável.

Mas o fazer quando esse acompanhamento médico é “negado” por causa de lotação de uma unidade médica?

A indignação de Bia Montadon, que perdeu sua gestação aguardando o atendimento, é a única resposta pra essa pergunta. Acompanhe o relato:

“Eu beatriz cheguei no uai martins dia 04/10 , alegando que eu estava com colica forte , a moça perguntou se eu estava sangrando, eu disse que sim porem pouco, simplesmente me classificou como verde e me mandou para a recepcao em horário de pico tinha muita gestantes , idosos, criancas , homens, assim que cheguei na recepcao para aguardar o medico chamar me desce placenta, sangue vivo, embriao , e so caia pedacos com muito sangue e todo mundo me olhando assustado , as idosas se desesperaram, comecou gritar socorro, todos achando um absurdo que deixou gestante com dor forte classificacao verde , ate que o maqueiro me levou para dentro com muita boa vontade ate me encaminharem para ufu, que isso alerte as gestantea dor forte nao existe classificacao verde, que fiquem atentas com a classificacao, estou bastante aflita pois foi um constrangimento enorme ficar sangrando pelas pernas abaixo e todos olhando como se tivesse morrendo… que nao aconteca isso com mais ninguem acabou que perdi meu pequenino na recepcao do uai martins … lamentavel alem da dor fisica e a dor pisicologica … que fique de alerta com classificacao”

Nas redes sociais a indignação tomou conta dos comentários:

 

 

 

 

 

 

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + quinze =